MAMEI A TRAVESTI ROLUDA


BY: homemcuriosomoc Mamei a Travesti Roluda

Sou mineiro de Montes Claros. Branco, loiro, quase 1,88m, aproximadamente 100kg, 38 anos, não afeminado. Hoje me considero bissexual, apesar de ainda não ter realizado minha fantasia de ser a putinha de um homem para saber se vou gostar e vou querer repetir, já que eu amo estar com mulheres. Não estou muito em forma, mas em busca disto. Dote na média, porém grosso. Tenho uma bunda branca, sem pelos, bem volumosa, firme e empinada que chama bastante a atenção de homens e mulheres, visto os elogios que recebo delas e as brincadeiras “maldosas” vindas deles.

Desde a adolescência tenho curiosidade em saber como seria deixar um homem me comer. Sempre fantasiava inúmeras situações com meus amigos me comendo, homens mais velhos me comendo, e ficava muito excitado com isto. Nunca tive coragem de colocar minhas fantasias em prática por dois motivos: o medo de me machucar, já que tenho um cuzinho tão apertado que até para inserir o dedo nele há dificuldade e gera dor, e o receio de que as pessoas descubram, já que se trata apenas de uma fantasia sexual e não tenho interesse de expor minha intimidade.

Não quero me relacionar afetivamente com outro homem, apenas quero sexo, putaria, safadeza, dar e receber prazer, sem beijo na boca, só pegação, chupadas e sexo. Sempre me relacionei com mulheres. Amo as mulheres e tenho muito tesão por elas, mas também tenho a curiosidade de dar o meu cuzinho ainda virgem. Em saborear um pau, mamar feito uma putinha ávida por receber porra na boca. Sentir o pau pulsar de prazer no meu cuzinho. Saber como é dar prazer a um macho enquanto ele entra e sai de mim. Mas tudo isto tem que acontecer com muita discrição, pois detestaria me expor e também à outra pessoa.

Hoje, 24 de novembro de 2018, por volta das 02:00 hs, eu voltava pra minha casa quando passei por uma avenida muito conhecida por ter travestis à procura de programa. Passava em frente a uma agência bancária, em velocidade baixa, quando vi aquela negra maravilhosa parada na esquina, ela tem aproximadamente 1,80m, um rabo gigantesco, usava um vestido justo e curto na cor vermelha, que estava levantado até a metade da bunda. Quando ela vira de frente pra mim vejo uma rola enorme completamente em riste. Não resisti e neste mesmo momento eu encosto o carro e aguardo que ela venha a mim. Ainda com aquele membro duro e de fora em se dirige ao meu carro com um sorriso no rosto. Seu pau é imenso. A cabeça é roxa e pequena, já que seu pau começa um pouco fino mas vai engrossando muito à medida em que chega na base. Eu sabia que não conseguiria colocar aquela tromba gigante no meu cuzinho virgem e apertado, mas eu salivava. Precisava ao menos sentir aquele pau em minha boca. Trocamos algumas palavras e pedi pra ela entrar no carro, pois tinha receio de algum conhecido passar e me ver ali. Liguei o carro e parei virando a esquina, em baixo de algumas árvores, onde é muito escuro, já que a luz do poste na ilumina esta parte da rua. Nem parei o carro direito e ela já abriu minha calça tirando meu pau que pulsava de tesão pra fora. Ela caiu de boca me fazendo delirar. Que boca gostosa! Ela engolia tudo com sofreguidão, fazendo meu pau latejar e o deixando todo melado. Enquanto isto eu apertava sua bunda e enfiava o dedo em seu cu. Ela rebolava e gemia com meu pau em sua boca. Ela parou de chupar meu pau por um instante, me aproveitei e caí de boca em sua rola preta. É enorme. Conseguia colocar um pouco mais que a metade em minha boca. Ela empurrava minha cabeça mais pra baixo me fazendo engasgar com aquele monstro em minha boca. Ela enfiou a mão em minha calça e começou a passar o dedo no meu cu. Tentou enfiá-lo, entrou só a ponta, mas me causou dor, já que é apertado e não havia um gel ali. Ela ficou brincando com a ponta do seu dedo socada no meu cuzinho enquanto eu a mamava, babava em sua rola, esfregava aquele pauzão em minha cara, gemia feito uma cadelinha. Passados alguns minutos aquela roluda não se aguentou e me disse que iria gozar. Ela começou a se contorcer e a gemer como uma femeazinha, foi então que tirei a boca do seu pau, mas permaneci próximo a ele com o rosto. Ela jorrou uma, duas, três, quatro vezes. Era uma porra grossa que lambuzou meu rosto. Eu fiquei muito satisfeito por ter feito aquele pauzão jorrar aquele leitinho morno e grosso. Voltei à minha posição no banco do carro, liguei a luz interna e me olhei no espelho. Meu rosto estava todo melado daquela porra farta e grossa que escorria por ele. Enquanto me olhava no espelho, ela caiu de boca em meu pau. Mamou, o babou e quando eu disse que ia gozar, ela o enfiou por completo em sua boca. Esguichei porra diretamente em sua garganta. Foi delicioso! Após fazer aquela roluda gozar e também encher sua boca de porra, paguei pelo boquete e vim para casa.

Como puderam perceber, ainda não realizei minha fantasia de dar meu cuzinho virgem Gostaria de conhecer pessoas interessadas em sexo casual, sejam casais, homens, mulheres, travestis ou transexuais. De dar o cuzinho eu não entendo, mas meto direitinho e estou disponível para foder casais, mulheres, travestis e transexuais. Estou interessado em fazer amizades e, quem sabe, fazer sexo casual, desde que seja do interesse de todos os envolvidos e com a maior discrição possível. No momento não tenho um número de telefone que possa fornecer para contato, mas estou providenciando isto.

Lembrando que discrição e respeito são de fundamentais importâncias.

                                



Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

 


Próximo Conto

Dei o cu para passar de ano